[Vida e Obra] Cassandra Rios

Cassandra Rios era o pseudônimo de Odete Rios. Nasceu no bairro Perdizes em São Paulo em 1932. Cassandra é considerada a pioneira da literatura lésbica no Brasil. Embora perseguida pela censura, foi uma das autoras que mais vendeu livro entre as décadas de 1950 e 70. Suas obras, embora satanizada por alguns seguimentos da sociedade e criticada por intelectuais, chegou a vender por ano 300 mil exemplares. O que era considerado número surpreendente para a época. Esta cifra leva a supor que tenha transcendido ao público lésbico e feminino.

Resultado de imagem para Cassandra Rios
(Crédito: Folhapress)

Sua estréia na literatura foi com o livro “Volúpia do pecada” no ano de 1948, então com apenas 16 anos de idade. Sem recursos próprios, sua mãe lhe emprestou o dinheiro para publicação. Esta obra lhe rendeu o pioneirismo de ser considerado primeiro romance de temática lésbica a alcançar repercussão nacional e a colocou como uma das autoras que mais vendeu livros na história da literatura brasileira.

Escreveu em torno de 40 livros, dentre eles: Carne em delírio, Nicoletta Ninfeta, Crime de honra, Uma mulher diferente, A lua escondida, As traças, A tara, Tessa a gata, A paranóica, Breve história de Fábia e MezzAmaro. Todos com altos índices de vendagem. Seus livros eram lidos as escondidas. Quanto mais era censurada, mais despertava curiosidade pelo prazer do proibido, pelo prazer da leitura e pelo prazer da descoberta.

Seus livros misturavam alquimicamente, relações lésbicas, transformismo, sincretismo religioso, política, relações de poder, desejo feminino, negócios e religião. Suas obras transbordam vida. Em um período em que o prazer feminino não era considerado um direito, ousou desvelar e revela-los de forma aberta e sem falsos pudores. Talvez por isto tenha sido perseguida e tão censurada.

Resultado de imagem para Cassandra Rios

Uma das características da narrativa de Cassandra é o fato de suas personagens refletirem sobre si, sobre a identidade lésbica com todas as suas contradições. Tendo em vista que essa identidade está inserida em uma rede de discursos, Cassandra disputava sobretudo a construção desta identidade. Suas obras sinalizam para uma mudança de comportamento; apresentava um quadro de seu tempo, ao mesmo tempo em que, introduzia elementos de uma transformação histórica.

Os livros de Cassandra surgiram em um cenário, pouco propício para este tipo de discussão. Ao abordar desejo e prazer entre mulheres, o erotismo, os conflitos internos advindo desta experiência e das cobranças que a sociedade impingia, revelou um universo que era silenciado. Essa ousadia lhe valeu perseguições tanto dos que apoiavam a ditadura quanto dos que a combatiam, mas, sobretudo lhe valeu um estrondoso sucesso editorial; tendo suas publicações disputadas nas livrarias durante quase 30 anos.

Os títulos de seus livros eram uma atração a parte: chamativos e insinuantes. Suas obras literalmente seduziam um número expressivo de leitores, porém foi ignorada pela crítica por ser considerada pornográfica e por seu estilo popular. Seus textos eram considerados marginais. Eram lidos as escondidas. A forma como a homossexualidade era tratada antes das obras de Cassandra era limitada ao pecado, patologia e o crime. Muito embora, estes elementos também fizessem parte de suas obras, ocupavam outra categoria analítica; eram apresentados como forma de preconceito, que suas personagens enfrentavam ao escolher viver sua sexualidade.

Cassandra rompeu padrões ao apresenta-se de smoking em diversas festas onde compareciam governadores e figuras de renome no cenário político e cultural. Também era frequentemente convidada a participar de diversos programas de TV.

Seus primeiros romances adaptados para o cinema foram “A paranóica” sob o título de “Ariella” (considerado sucesso de bilheteria) e “Tessa, a gata” ambos, dirigidos por John Herbert. Outro romance adaptado para o cinema foi “A mulher, serpente e a flor” – com roteiro de Benedito Ruy Barbosa e dirigido por J. Marreco.
Nos anos 1980, Cassandra continuava a escrever, porém não atinge o sucesso anterior. Tentou carreira política, mas não conseguiu se eleger. No final da vida trabalhava como revisora de livros e dedicava-se a pintura.

Imagem relacionada

Curiosamente no dia 8 de março de 2002 – Dia Internacional da Mulher – Morreu Cassandra Rios, a mulher que era considerada a mais polêmica escritora brasileira. Faleceu de câncer, aos 70 anos de idade, pouco antes de lançar oficialmente sua autobiografia: “Mezzamaro, flores e cassis”, onde revela alguns insultos que recebidos ao longo de sua trajetória de escritora: “demônio das letras, “papisa do homossexualismo”, “uma dama de capa e espada”. Mas revela, sobretudo, o fascínio e o medo que exercia sobre seus leitores e críticos.

Bibliografia

  • Romances:
  • 1948 Volúpia do Pecado
  • 1948 Carne em delírio
  • 1949 Eudemônia
  • 1951 O gamo e a gazela
  • 1952 O bruxo espanhol
  • 1952 A lua escondida
  • 1952 A sarjeta
  • 1952 A paranoica
  • 1954 Minha metempsicose
  • 1956 As vedettes
  • 1956 A madrasta – Copacabana posto 6
  • 1956 Georgette
  • 1961 Tara
  • 1962 A borboleta branca
  • 1962 Muros altos
  • 1962 A noite tem mais luzes
  • 1963 A breve história de Fábia
  • 1965 Uma mulher diferente
  • 1965 Macária
  • 1965 Tessa, a gata
  • 1965 A serpente e a flor
  • 1965 Um escorpião na balança
  • 1965 Veneno
  • 1971 Canção das ninfas
  • 1971 As mulheres do cabelo de metal
  • 1971 Mutreta
  • 1973 Nicoleta Ninfeta
  • 1975 Marcella
  • 1975 As Traças
  • 1977 Anastácia
  • 1978 Uma aventura dentro da noite
  • 1978/1979 A santa vaca
  • 1978/1979 Patuá
  • 1978/1979 Maria Padilha
  • 1979 O gigolô (como Oliver Rivers)
  • 1979 Prazer de pecar
  • 1980 Marcellina
  • 1981 Eu sou uma lésbica
  • 1997 Entre o reino de Deus e o reino do Diabo
  • Autobiografias:
  • 1977 Censura – minha luta, meu amor
  • 2000 MezzAmaro – flores e cassis
  • Póstumos:
  • 2005 Crime de honra

Livros sem data de publicação:

A piranha sagrada; O pantanal da vida; Carla Naja; Cabeleiras ao vento; Os cabelos de Nereide Sargitarius; Mala Raça; Antídoto; A hóstia do diabo; O office-boy; A casa das almas; Fria; Mulher de rua; Na tela das pálpebras dos meus olhos; Brasil no meu bolso; Orgástica; Moteis, hoteis e bibocas; Telefona para mim; Último desejo; A profecia de Pavlova; Mãe de santo; O livro negro de Bonifácia; Gatas da noite; Marieta; Valéria, a freira nua; Mônica, a Insaciável (como Oliver Rivers); A raposa vermelha.

Documentário

Em 2013 estreou o documentário Cassandra Rios: a Safo de Perdizes, direção de Hanna, o filme traz depoimentos de pessoas que participaram da vida da autora de alguma forma, como a sobrinha Liz Rios, a atriz Nicole Puzzi, a escritora Lúcia Facco, o editor Maxim Behar, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP, Dr. Martim Sampaio, entre outras personalidades. Nicole Puzzi estrelou em dois longas-metragens extraídos de livros de Cassandra, Ariella (1980) e Tessa, a Gata (1982).

FONTE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s