[Vida e Obra] Sarah Kane

Imagem relacionada
A inglesa Sarah Kane teve uma carreira bastante curta, escrevendo apenas cinco peças entre 1995 e 1999, além de um roteiro para TV. Isso, no entanto, não impede que ela seja colocada como uma das figuras mais importantes da dramaturgia do final do século XX.

Suas peças são bastante poéticas e intensas, além de extremamente violentas. Sarah é parte de um grupo- não organizado, reconhecido por estudiosos apenas- de escritores que rompe com as tendências naturalistas do teatro inglês do século XX, dando vazão para o pós-moderno.

Imagem relacionada

Sarah nasceu em Brentwood no dia 3 de fevereiro de 1971. Seus pais eram evangélicos, o que fez com que na adolescência ela fosse uma cristã um tanto quanto fervorosa- o que mais tarde rejeitou com igual fervor. Cursou o ‘ensino médio’ na Shenfiled High School, famosa por ter departamentos de teatro e música bastante fortes, e pelo incentivo que dá a seus alunos. Depois disso graduou-se em drama pela universidade de Bristol e, em 1992, iniciou seu ‘Master of Arts’- equivalente a um mestrado- em escrita dramática na universidade de Birmingham, sob a tutela do dramaturgo David Edgar. Em 1999, Sarah, que já havia sindo internada duas vezes no Hospital Psiquiátrico Maudsley, e Londres, enforcou-se dois dias depois de ter tomado uma overdose de medicamentos.

A primeira peça de Kane foi ‘Blasted’. Toda a ação ocorre em um quarto de hotel, durante uma guerra- que é vagamente baseada no que se passou na Bósnia no começo da década de 1990- em que Ian, um jornalista de meia-idade, bastante preconceituoso e chauvinista, encontra-se com Cate, uma jovem bastante simples e doce, sua ex-namorada. Em meio ao pânico da guerra, a tensa relação entre os dois é explorada. Isso porém é interrompido pela chegada do conflito até o hotel, com a entrada de um soldado inimigo. A peça estreou em 12 de janeiro de 1995, dirigida por James Macdonald, e teve grande repercussão: suas cenas de estupro anal e canibalismo causaram a maior polêmica teatral da Inglaterra desde Saved, de Edward Bond, em 1965. Bond, aliás, ergueu-se em defesa de Kate, que era uma grande admiradora de sua obra. Outra coisa que Blasted conquistou foi a admiração de Harold Pinter, que no dia seguinte ao assistir a peça foi pessoalmente até a casa dela entregar-lhe uma carta em que expressava admiração pela jovem autora.

Imagem relacionada

No ano seguinte a segunda peça: ‘O amor de Fedra’, uma adaptação moderna e perturbada do clássico texto de Sêneca. Na versão de Kane, Hipólito é gordo, indiferente e cruel- e o culpado pelo suicídio de Fedra. A sexualidade é explorada de maneira crua e violenta, num texto extremamente cínico, que Kane costumava definir como sua ‘comédia’. Em sua primeira montagem, foi dirigida pela própria autora.

Cleansed’, ou ‘Purificado’, foi a peça seguinte, dirigida por James Macdonald em 1998. Sarah baseou-se em uma citação de Roland Barthes em que ele diz que ‘estar apaixonado é como estar eu Auschwitz’: o texto se desenrola em uma espécie de campo de concentração em que uma garota que queria transformar-se no irmão morto, um jovem pária e um casal homossexual são expostos às torturas provenientes da capacidade de amar. A escrita de Sarah torna-se bastante dúbia, e ela experimenta com o palco, levando-o a seu extremo: partes decepadas de um dos personagens devem ser devoradas por ratos e uma flor deve crescer em cena.

Imagem relacionadaSua quarta obra foi escrita sob o pseudônimo de Marie Kelveldon. ‘Crave’ (‘Ânsia’), marca uma mudança no seu estilo- e mesmo uma guinada da crítica com relação a ela. A violência dá lugar a um lirismo desesperado e as indicações de ações ou cenografia desaparecem completamente. Quatro personagens, identificados apenas por letras, conversam- em algo que é quase um solilóquio em grupo. Vicky Featherstone dirigiu a primeira montagem, ainda em 1998. A medida de usar um pseudônimo foi tomada como forma de fugir do furor dos críticos que haviam reagido de forma truculenta ao escreverem sobre Blasted, caracterizando-a como “repugnante e obscena”.

A depressão fez com que a dramaturga fosse internada por duas vezes em hospitais psiquiátricos. Nesse período extremamente conturbado ela escreveu sua última peça, ‘Psicose 4:48′ é assutadora e radical. Segundo Kane, 4:48 é a hora em que a maioria dos suicidas escreve seus bilhetes. E peça- de forma quase poético, sem qualquer indicação de personagens ou qualquer outra coisa- pode ser encarada como seu bilhete. A personagem (se é que se pode definir uma personagem), inclusive, diz na peça que iria tomar uma overdose de medicamentos, cortar os pulsos e enforcar-se. Aparte os pulsos cortados, foi exatamente como Kane morreu. Numa narrativa densa, fragmentada, não-linear 4.48 evidencia uma mente conturbada, depressiva e esquizofrênica, à beira da loucura. Com direção de James Macdonald, sua premiére foi em 23 de junho de 2000, pouco mais de um ano após o suicídio da escritora (que foi em 20 de fevereiro de 1999).

Resultado de imagem para sarah kane skinExiste ainda um curta-metragem, ‘Skin’, dirigido por Vincent O’Connel para a TV inglesa (e que pode facilmente ser encontrado no youtube). No filme, Ewan Bremner-o Spud de Trainspotting- é Billy, um skinhead que relaciona-se com Marcia (Marcia Rose), uma garota negra. A obra de Sarah Kane como eu já disse é bastante breve. Mas ela foi uma autora influente e muitos grupos e autores recorrem à ela como fonte. Uma fonte, sem sombra de dúvida, forte e vigorosa- mesmo que por vezes um tanto desesperada.

Obras:

  • Blasted (1995)
  • Skin (Filme de 1995)
  • Phaedra’s Love (1996)
  • Cleansed (1998)
  • Crave (1998)
  • 4.48 Psychosis (1999)

Sur les traces de Sarah Kane

Inspiração:
Kane foi inspiração para o filme Francês, Sur les traces de Sarah Kane, do diretor Jacky Street, de 2013. Nele, uma jovem e aspirante a atriz encontra o papel de sua vida, interpretar Sarah na peça 4:48, mas fica tão obcecada com o seu novo papel que começa a explorar sua sexualidade e a provocar extremos em sua vida pessoal.

Documentários:
É possível encontrar alguns documentários, em inglês, sobre Sarah Kane, seguem abaixo. Se alguém se disponibilizar em legendar os vídeos, podemos subir no canal do Atores no YouTube depois.

In Death You Hold Me: Life and Works of Sarah Kane:

The Work Of Sarah Kane: 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s