[Internacional] Kristin Chenoweth: Eu amaria que uma drag queen fizesse a Glinda em Wicked

“Uma Glinda Drag Queen? Você acabou de dizer um drag fazendo Glinda? ” Começa Kristin em uma conversa com o portal britânico  Gay Times  – confirmando que ela gostaria de ver mais flexibilidade de gênero para um papel que ela originou em 2003.

“É uma ideia fantástica, venham agora drags do mundo todo, vamos fazer isso acontecer.”, disse Kristin tomada pela idéia. Ela originou o papel de Glinda no elenco original de Wicked na Broadway  – ao lado da estrela Idina Menzel.

 

Lutadora dos direitos LGBT+ ao longo de sua carreira e em sua vida pessoal, Kristin acenou a bandeira do arco-íris orgulhosa em muitas ocasiões. E quando surge a discussão sobre a igualdade de gêneros no palco ela é rápida para elogiar o excelente trabalho de Londres – “espero que a Broadway siga em breve para garantir que vejamos todas essas histórias e essas pessoas ganhando seu espaço.”

“Eu acho que Londres está à frente do jogo, mas estamos chegando lá”, começa Kristin, rotulando Londres à frente de Nova York por ter uma maior representatividade LGBT+ no palco. “Eu sempre penso que a melhor pessoa para o papel deve obtê-lo – e isso independe de gênero, orientação sexual. Londres está definitivamente à frente, mas estamos perto.

“Eu não me importo com a cor de uma pessoa ou a orientação sexual de uma pessoa, se eles são certos para o papel, pronto – eles devem obtê-lo. É aí que estamos indo e penso que estamos fazendo avanços na direção certa. Essa é a minha mensagem. ”

O mesmo se aplica a oportunidades iguais para papéis femininos fortes na Broadway?

“Há certos papéis desempenhados pelos homens que eu realmente estou pensando em fazer”, ela começa. “Por que temos que colocar regras sobre as coisas? Vamos mostrar a nossa comunidade jovem e aos nossos jovens artistas que podemos. Sou alguém que acredita nos direitos das mulheres e nos direitos LGBT+, mas isso não deveria nem existir nos palcos, simplesmente a melhor pessoa pega o papel, sem gênero!”

Este mês, Kristin volta aos palcos com um show solo e bastante íntimo no West End de Londres. Atuando ao vivo no mundialmente famoso London Palladium , ela explica um pouco mais sobre o porquê desse show ser o show mais aberto e mais sincero de sua carreira.

“É apenas meu pianista e eu. Não é uma banda ou uma orquestra e não estou certa ainda se as músicas farão parte do novo material do meu álbum.”

Fonte: GayTimes

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s